Secretário da Sesp fala sobre conscientização da população no descarte do lixo

A falta de conscientização nas pessoas é o grande fator dos problemas com os lixos jogado na rua. Por isso, foi aprovada em setembro de 2015 na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), o projeto que obriga os municípios brasileiros e o Distrito Federal a estabelecer multas para quem jogar lixo na rua.

Já adotada em algumas cidades, a regra passaria a valer em todo o país. A proposta seguiu para análise da Câmara dos Deputados. Em Lauro de Freitas esta proposta ainda não é se quer priorizada, e mesmo sabendo que a nossa cidade possui equipes que atuam diariamente na limpeza urbana, ainda existem pessoas que poluem não apenas terrenos baldios com lixo e entulho mas também, depredam passeios públicos com detritos.

Em entrevista ao site SucessagemNews na manhã desta terça-feira (6), o Secretário de Serviços Públicos (SESP), Renato Braz (PEN), ressaltou que a cidade possui horários onde os profissionais circulam pelas ruas na ação de coleta dos resídios, onde muitas vezes estão em locais impróprios.


Mesmo com a placa de proibição, populares jogaram lixo no passeio público em Itinga

“Nós temos uma equipe dedicada que atua diariamente, inclusive aos domingos, mesmo em numero menor de profissionais em horários já estratégicos desde o inicio do dia para fazermos as coletas. Não promovemos multas diante do munícipe que atue de forma incorreta jogando lixo na rua. Um intenso trabalho de conscientização para que a população não jogue lixo e principalmente entulho que é o nosso maior problema deve ser priorizado pela gestão da nossa cidade para que essa situação possa estar sendo sanada”, ressaltou o secretário.

A implementação da multa

Apresentado pelo ex-senador Pedro Taques em 2015, o projeto foi inspirado na lei implantada no Rio de Janeiro e altera a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS – Lei 12.305/2010), aprovada em 2010, já que o descarte irregular de lixo nas ruas passa a ser proibido e a forma correta deve ser regulamentada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *