Preso é assassinado dentro de cela em delegacia de Itinga

Compartilhe nas redes sociais:

Quando foi preso por assalto a mão armada e agressão física, na sexta-feira de São João, 23, não passou pela cabeça de Osias Santos de Oliveira que ele sairia da delegacia no carro do IML.

Dez dias após ser conduzido à 27º Delegacia (Itinga), ele foi encontrado morto na cela. Segundo a Polícia Civil, o crime foi praticado pelos outros presos, após um deles afirmar que Osias tinha invadido a residência de um casal de idosos para roubar, assassinando o marido e estuprando a esposa.

Para matar Osias sem chamar a atenção dos policiais de plantão, os presos começaram a cantar alto para abafar os gritos de socorro da vítima. Ao ver que ele não se mexia, os presos chamaram os policiais, que encontraram a vítima já sem vida. A perícia constatou marcas de agressões e sinais de estrangulamento.

Em nota, a assessoria de comunicação da Polícia Civil afirmou que a delegada Elaine Laranjeira, decidiu intimar os 28 presos para depor – 21 foram autuados em flagrante por homicídio doloso. A nota termina afirmando que as prisões preventivas foram solicitadas e que os acusados aguardavam a transferência para penitenciária.

Sem prova de crime sexual

Osias já tinha uma ficha criminosa. Além de responder por assalto a mão armada e agressão física, ele ainda era investigado por outros roubos e homicídio. Porém, contra Osias não havia nenhuma denúncia de crime sexual registrada. Chama a atenção o fato do colega de xadrez que o denunciou ter saído um dia antes do ocorrido.

Nos depoimentos, os assassinos justificaram a morte do jovem ao crime sexual supostamente praticado, confiando na denúncia do ex-companheiro de cela. O crime e a técnica usada para omitir os sons da vítima pegaram de surpresa os polícias.

Investigação

Por meio de sua assessoria, o Ministério Público informou que já começou a apurar o caso e que está no aguardo do inquérito policial para investigar e adotar as medidas cabíveis.

O crime praticado contra indivíduos sob os cuidados do Estado, como é o caso dos presidiários, pode resultar em punição tanto para os autores quanto para os agentes públicos que eventualmente atuaram no caso com omissão ou leniência .

Em março do ano passado, o Supremo Tribunal Federal decidiu que, a depender do caso,  cabe indenização à família das vítimas.

Fonte: A tarde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *