Pescadores e moradores de Buraquinho reclamam de poluição no Rio Joanes

Compartilhe nas redes sociais:

A morte de milhares de peixes no Rio Joanes, na região da praia de Buraquinho, em Lauro de Freitas, está preocupando e causando indignação em pescadores e moradores da região. De acordo com a Colônia de Pesca em Buraquinho, cardumes de tainha começaram a aparecer mortos no último domingo (10). A principal suspeita é o despejo ilegal de esgoto nas águas deste rio, que é responsável por cerca de 40% do abastecimento de água em Salvador.

Conforme explica Egberto Teodoro, presidente da Colônia, coincidentemente, sempre que há chuva forte, como a de domingo, peixes aparecem sem vida na região. “Parece que os proprietários dos condomínios aproveitam a chuva para esvaziar a fossa, jogando todo o esgoto no mar. Tem dias que, durante a manhã, ninguém aguenta o fedor. As águas ficam pretas”, afirmou.

Pescador nascido e criado na região, Egberto, conhecido como Cotoco, se entristece ao ver a atual situação do Rio Joanes, após recordar a beleza que costumava ser o encontro do rio com o mar, formando uma bela paisagem em Buraquinho.

“Era a coisa mais linda de ver, mas hoje está assim, com as águas pretas, sujas. Há cerca de dez anos a gente pescava caranguejo, lambreta, lagosta, marisco. Hoje em dia encontramos essa quantidade enorme de peixes mortos. É triste ver morrer o lugar que você foi criado. É desse rio que sempre tirei meu sustento, que criei minha filha que hoje tem 18 anos. Ter o barco atracado e não poder pescar por causa da poluição é muito sofrido”, lamentou.

Também pescador e integrante da direção da Colônia, Manoel Conceição, analisa a situação. “Antigamente, existiam sítios com uma família. Estes foram expandidos e hoje abrigam condomínios de luxo, para vinte, trinta famílias. Agora temos essa quantidade de famílias utilizando a mesma canalização de esgoto, deixando desaguar no rio”, averiguou. 

“A mortandade de peixes é da represa para baixo, o que indica que a causa é realmente do esgoto dos condomínios. Se você passar pela ponte do Rio Sapato, pode observar que tem muita tubulação de esgoto que vai direto para o Rio Joanes. Os peixes morrem por falta de oxigênio”, explicou um comerciante da região, que pediu sigilo sobre sua identidade.

Nossa equipe de reportagem tentou entrar em contato com a Secretaria de Meio Ambiente, Saneamento e Recursos Hídricos de Lauro de Freitas (Semarh), mas não obteve retorno. Contudo, enquanto in loco para ouvir a denúncia dos pescadores, foi informada por um funcionário do órgão que uma bióloga já havia ido ao local fazer coleta de material para estudo, e que a Semarh trabalhava sob a suspeita de bomba. “Devido à vermelhidão nos olhos dos peixes e a quantidade de sangue na cabeça”, disse.

Inema comprovou lançamento de esgoto

Um relatório feito pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) a fim de analisar a Barragem de Joanes I, em junho de 2015, concluiu que há ocorrência de lançamento de esgotos no rio, sobretudo de esgotos domésticos, acarretando na acumulação de fósforo e provocando um desenvolvimento acelerado de biomassa de algas. 

O estudo comprovou também que há interferência no equilíbrio dos ecossistemas aquático, que podem conduzir à desoxigenação do corpo d’água, o que valida a suspeita dos pescadores, de que a morte dos peixes pode ter sido causada pela falta de oxigênio.

“Recomenda-se que haja um tratamento adequado e eficiente para remoção destes microorganismos, visto que a água esta barragem é bastante utilizada para consumo humano. Vale lembrar que essas bactérias representam um sério problema para as estações de tratamento de água, pois podem causar perda de carga dos filtros e alteração no odor e no sabor da água tratada”, solicitou. 

Fonte: Tribuna da Bahia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *