Estrada do Coco lidera ranking de rodovias estaduais que mais mataram em 2017

Compartilhe nas redes sociais:

Estrada do Coco lidera ranking entre rodovias estaduais mais letais
No ranking das cinco estradas estaduais que mais mataram em 2017, informado pela Secretaria de Infraestrutura da Bahia (Seinfra), a que lidera, com 31 mortes, é a BA-099, conhecida como Estrada do Coco, entre Lauro de Freitas e o Litoral Norte. Em seguida, vêm as BAs 001 (29 mortes), 130 (19) e a 052 e a 120, ambas com 17 mortes em 2017.
No total, 880 pessoas morreram nas estradas baianas em 2017, a maioria delas nas rodovias federais: 575. O número, porém, vem reduzindo nas BRs desde 2012, quando foram registradas 849 mortes nas federais. Foram 4.269 vítimas fatais de 2012 a 2017 nas rodovias federais. No mesmo período, nas estradas estaduais, houve 1.955 mortes.
Razões
“Embora apareça na nona posição entre as ocorrências mais frequentes, a colisão frontal é a primeira em número de vítimas fatais. Por isso, as ultrapassagens irregulares são práticas fiscalizadas intensamente pela PRF e devem ser evitadas pelos motoristas”, explica a nota da PRF.
Outras causas importantes vitimam um número expressivo de pessoas, como a saída de pista provocada pelo excesso de velocidade, as colisões traseiras, laterais e transversais causadas pela falta de atenção em conversões, cruzamentos e mudanças de direção.
Acidentes com motocicletas, como o que matou Gilmagno há 1 ano, também contribuem para o número de mortes nas rodovias, destaca a PRF, segundo a qual o não uso de equipamentos de segurança, sobretudo capacete, o excesso de passageiros e a inobservância das regras de trânsito são fatores que contribuem para as mortes.
“A falta de atenção é a maior causadora de ocorrências, respondendo por 70% dos registros”, destacou a Seinfra, em nota.
Segundo a 21ª Pesquisa CNT de Rodovias, divulgada em 2017, 64,8% (5.745 km) de vias têm algum tipo de deficiência no estado (regular, ruim ou boa). Apenas 35,2% das rodovias (3.121 km) tiveram um ótimo ou bom. As rodovias da Bahia (estaduais e federais) somam 8.866 km de extensão, segundo informações da Confederação Nacional do Transporte (CNT).
O estado geral inclui a avaliação conjunta do pavimento, da sinalização e da geometria da via. De acordo com a pesquisa, o acréscimo do custo operacional devido às condições do pavimento chegou a 23,5% no transporte rodoviário da Bahia. A pesquisa estima que só para as ações emergenciais de reconstrução e restauração das vias são necessários R$ 2,40 bilhões. Já para a manutenção dos trechos desgastados, estima-se um custo de R$ 1,78 bilhão.
Governos citam investimentos
O Dnit informou que estão previstos R$ 266,87 milhões em 2018 para manutenção das estradas federais que cortam a Bahia. O órgão planeja gastos específicos para as BRs 110, 116, 242 e 324. Para a duplicação da BR-116, de Teofilândia a Feira de Santana, existem dois contratos em fase de elaboração, análise e aceitação dos projetos, diz o Dnit. “O valor investido em 2017 para essa ação foi de R$ 24,39 milhões e em 2018, para as obras de duplicação na BR-116, é de R$ 37,10 milhões.”
Há ainda quatro contratos de conservação para a manutenção da BR-116, desde a divisa com Pernambuco até Feira de Santana. Além disso, existe um contrato que consiste em implantação de vias laterais e restauração. “Os serviços são executados entre o entroncamento com a BR-235 e Euclides da Cunha. Foram investidos R$ 8,97 milhões em 2017 para manutenção da BR-116/BA”, afirmou o órgão federal.
Para manutenção da BR-242, o Dnit tem três contratos de conservação, de São Roque do Paraguaçu ao entroncamento com a BA-534, e de Brotas de Macaúbas à divisa com o estado de Tocantins. E ainda três contratos para execução dos serviços de manutenção estruturada, entre Castro Alves e Brotas de Macaúbas. Na 242, foram investidos em manutenção R$ 40,69 milhões em 2017.
Já o governo do estado diz que “vai destinar 2/3 do valor obtido no empréstimo de R$ 600 milhões junto ao Banco do Brasil para a recuperação de rodovias estaduais sob a responsabilidade da Seinfra”, o que dá cerca de R$ 400 milhões.
Em 2017, a Seinfra diz que mais de R$ 182 milhões foram investidos na implantação e restauração em 387,14 quilômetros de rodovias baianas. “Dentre os trechos recuperados estão 78 km de extensão da BA-225, entre Formosa do Rio Preto e Coaceral; 37,7 quilômetros da BA-693, que liga a BA-290 a Ibirapuã, e 52,2 km da BA-052, de Ipirá a Baixa Grande”, afirmou o órgão.
Para 2018, o governo planeja recuperar mais de 1.600 km de estradas. O contrato para a realização das obras foi assinado no final de 2017.
Serão realizados serviços em mais de 360 km da BA-210, de Paulo Afonso a Juazeiro; no Anel da Soja (BAs 456 e 460), em mais de 400 km; da BR-242 (Paramirim, Livramento, Brumado, Vitória da Conquista, Itambé); entroncamento da BA-152 (Caturama e Botuporã) e BR 430 (Igaporã).
Estão previstos investimentos ainda em mais de 500 km da BA-161, entroncamento da BR-242 (Estreito), Barra (BA-172) e no entroncamento da BR-242 (Javi) em mais de 300 quilômetros. A previsão é que os serviços sejam iniciados neste primeiro semestre, informou a Seinfra.
Além disso, está na programação a realização de serviços de recuperação e pavimentação em outros 320 quilômetros, também no primeiro semestre, completou o órgão estadual.
Fonte: Correio da Bahia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *