Briga por terreno milionário gera invasão de área e confusão em Lauro de Freitas

Compartilhe nas redes sociais:

A disputa judicial por um terreno milionário no bairro de Itinga, em Lauro de Freitas, ganhou mais um capítulo nesta quarta-feira (17). A área localizada atrás da Estação de Metrô Aeroporto foi invadida nesta manhã e a polícia precisou ser acionada para retirar os suspeitos. À tarde, o terreno foi novamente invadido.

Segundo o advogado do atual dono do terreno, Thiago Philleto, os vândalos derrubaram as placas de alumínio que isolam a área. Na sexta-feira (12), algumas pessoas já tinham tentado invadir o local, mas foram retiradas.

O advogado afirma que a invasão é orquestrada pelo empresário José Augusto Evangelista de Souza, que tem interesse no terreno. O BNews procurou o empresário, mas até o fechamento da matéria as ligações telefônicas não foram atendidas.

O caso

O terreno fica na antiga sede da Empresa Dois de Julho e é alvo de uma briga judicial que já dura mais de oito anos entre Alexandre Telles de Menezes e Maria de São Pedro, que teria recebido o terreno como herança da avó. Após a sua morte, a filha, Nivalda Santana, teria colocado a mãe falecida, usando uma procuração, como sócia de grandes empresários da construção civil e do transporte público, na Red Patrimonial.

Além da briga pela área, também está em jogo R$ 24 milhões pagos pelo governo para a desapropriação de uma parte do terreno para a construção da Estação Aeroporto do Metrô, que a Justiça tinha concedido para os empresários, após Nivalda doar todas as ações para a empresa, o valor da desapropriação do terreno. O Tribunal de Justiça da Bahia suspendeu o pagamento do terreno.

Em abril de 2018, a ministra Maria Isabel Gallotti deu tutela provisória para o Alexandre Telles de Menezes, “diante da farta documentação acostada, vislumbra-se a possibilidade de fraude na documentação obtida pela ré […] através da qual a ré conseguiu registrar o imóvel em discussão como seu”.

“Desde que assumi essa causa há dois anos conseguimos inúmeras decisões judiciais favoráveis, mas tem pessoas do outro lado que não obedecem a lei em hipótese alguma”, afirmou o advogado.

Segundo Philleto, o terreno pertencente à avó da ré não fica em Lauro de Freitas, mas em Camaçari. Em fevereiro de 2017, a secretária de Desenvolvimento Urbana e Meio Ambiente do município, Juliana Paes, fez uma declaração afirmando que a Fazenda Machadinha/Loteamento Parque Real Serra Verde fica no território de Camaçari e não coincide com as coordenadas que constam na escritura pública usada pela ré

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *