Audiência Pública destaca importância da construção coletiva para a cultura em Lauro de Freitas

Compartilhe nas redes sociais:

Que Cultura Nós Queremos? Esse foi o tema da audiência pública realizada na noite desta quinta-feira (1º), no Cine Teatro de Lauro de Freitas. O evento, que contou com a participação de representantes da sociedade civil e do governo municipal, foi iniciado com a apresentação dos grupos culturais Fanfarra Juvenil de Lagoa dos Patos; Capoeira Sementes da Raça Negra; Percussivo Artcum; Loca de Teatro, Criando Asas, Pé de Poeta, Bankoma e Bambolê.

Na audiência, o secretário municipal de Cultura, Manoel Carlos dos Santos destacou a importância do encontro para a construção coletiva, marca de uma gestão participativa e comprometida com o que é deliberado pelo Conselho Municipal de Cultura. O secretário lembrou algumas ações recentes realizadas pela secretaria, à exemplo de duas jornadas culturais, do festival municipal de dança, que contou com a participação de 17 grupos, e a Companhia Municipal de Teatro Amador, que atua com mais de 100 jovens carentes da rede municipal de ensino. Além disso ele ressaltou eventos que ainda estão por vir e que contarão com o apoio da SECULT, como a 2ª Jornada de Teatro do Oprimido e da Oprimida, confirmada para o mês de outubro.

Representando a prefeita Moema Gramacho, o chefe de gabinete Roberto Lopes parabenizou a apresentação dos grupos culturais do município, destacando a importância da audiência pública para a ampliação da participação de cada cidadão no processo de construção de políticas públicas voltadas ao desenvolvimento dos diversos grupos culturais de Lauro. O município tem hoje 52 eventos calendarizados, destes, 22 são considerados eventos que ressalta as manifestações da cultura tradicional.

O fortalecimento da cultura da não exclusão e a utilização de projetos culturais voltados ao público jovem como ferramenta de enfrentamento da violência foi o debate levantado pelo presidente do Conselho Municipal de Cultura, Alcides Jorge Carvalho do Santos. Em fim de mandato, o presidente comemorou avanços importantes de sua gestão, a exemplo do respeito às decisões tomadas pelo conselho. Criado em 2008 e instalado no ano seguinte, o conselho está com inscrições abertas. Os interessados em compor o colegiado devem se inscrever até o próximo dia 9 de agosto na sede do órgão, localizada no Terminal Turístico Mãe Mirinha de Portão.

Representante da Associação São Jorge da Gomeia, do Bairro de Portão, a presidente do Ponto de Cultura Bankoma, Lúcia Neves, lembrou os obstáculos encontrados pelos negros ao longo da história e falou sobre o desafio diário de manter firme a ancestralidade do seu povo, resguardada e protegida pelo candomblé. Mãe Lúcia também destacou o trabalho realizado no Bankoma durante todo o ano, a exemplo dos cursos de percussão, de dança, a fabricação de instrumentos, oficinas de corte costura e estética afro, ações que geram emprego e renda e que ganham visibilidade durante o Carnaval no desfile do Bloco Bankoma. O grupo leva para a avenida a música, dança, adereços, roupas, e instrumentos, resultados de um trabalho realizado durante todo o ano.

Participantes de diversos movimentos culturais do município também deram sua contribuição, trazendo à tona o debate em torno das conquistas alcançadas, como a instituição do Plano Municipal de Cultura de Lauro de Freitas a partir da lei nº 1.754, aprovada em 2018, e a gestão democrática dos recursos destinados aos projetos culturais, decididos sempre a partir das deliberações do Conselho de Cultura, formado por integrantes do governo e da sociedade civil. Apesar de reconhecer os avanços, os participantes também levantaram demandas dos agentes culturais, com destaque para a realização de editais e o aumento dos recursos destinados ao Fundo de Cultura.

Compuseram a mesa de debates também Elisangela Santos Souza (SECULT MUNICIPAL); Luciana Tavares (vereadora); Tina Tude (Titular do conselho no Segmento de pesquisa historiográfica, identidade e memória); Sueli Ribeiro (representante do Centro de Culturas Populares e Identitárias/SECULT BA); Tássio Revelat (professor da Educação Básica) e o historiador Gildásio Freitas.

ASCOM PMLF
Texto Rodrigo castro
Fotos Camila Custório
02/08/2019
www.laurodefreitas.ba.gov.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *