Caminhada em Lauro de Freitas reúne comunidades de matriz africana, celebra lei e chama atenção para luta contra racismo religioso

0
239


A I° Caminhada das Raízes de Matriz Africana e Nações do Candomblé reuniu, nesta terça-feira (21), representantes de religiões ancestrais do povo negro e culturais brasileiras, para dar voz a integrantes de terreiros do município de Lauro de Freitas. Com o tema “Respeite a Minha Fé, o Meu Sagrado e o Meu Axé”, o cortejo acompanhado de trio saiu do final de linha do Centro da cidade até a Praça da Matriz. A caminhada, que celebra o Dia Nacional das Tradições das Raízes de Matrizes Africanas e Nações do Candomblé, instituído pela Lei 14.519/23 para ser comemorado anualmente no dia 21 de março, começou com xirê de pedido de licença para Exu abrir caminhos e finalizou com saudações para Oxalá. Todo o trajeto do percurso foi embalado pelos cânticos da Associação Mesa de Ogãs.  Organizada pela Federação Nacional do Culto Afro-Brasileiro, com apoio da Prefeitura Municipal, a caminhada foi um momento de reafirmar a luta por direitos, como afirma Jaldir Lopes, presidente da Fenacab. “Além de celebrar a lei, é o reconhecimento maior com o povo de santo. Estávamos muito presos, até com a pandemia, e essa primeira caminhada é para mostrar que estamos aqui, que existimos e lutamos por nossos direitos e espaço”, disse. O secretário de Cultura do Estado da Bahia, Bruno Monteiro, prestigiou a caminhada e destacou a iniciativa no município. “Esse dia marca muitas lutas, uma delas já construída internacionalmente que é de enfrentamento contra a discriminação racial. Lauro de Freitas dá um passo à frente ao promover essa caminhada. Um município que tem terreiros dos mais tradicionais da Bahia e do Brasil e nesse momento reafirma a história de ancestralidade e tudo o que representa a nossa formação de identidade”, frisou.Também neste 21 de março é celebrado o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial, definido pela Organização das Nações Unidas (ONU). Para o secretário Municipal de Cultura (Secult), André Pereira, Lauro de Freitas instituiu um momento histórico com a caminhada. “Nosso governo reafirma o compromisso com a liberdade religiosa, a ancestralidade, através da cultura. As tradições de matriz africana estão muito vivas em nosso território. Só de povos de Candomblé temos uma representação de mais de 400 terreiros existentes”, relatou. Com a instituição da lei sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no começo deste ano, a Mariwó Laxo do Terreiro Ile Axé Opo Ogunja, Janice, diz que se sente mais representada em seu próprio país. “A data marcada fortalece a caminhada, a luta, dos povos de Candomblé. Historicamente fomos excluídos de diversas áreas e esta lei faz com que os povos de axé se unam cada vez mais”. 
Texto – Laerte SantanaFoto – Raphael MullerSUPCOM PMLF – Superintendência de Comunicação de Lauro de Freitaswww.laurodefreitas.ba.gov.brTEL.: (71) 3288-8371

Aladim Locutor

Leave a reply